A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho aumentou para R$ 15 mil o valor da indenização por dano moral que a empresa mato-grossense Brink’s Segurança e Transporte de Valores Ltda. terá de pagar a um vigilante que tinha de urinar dentro de recipientes plásticos. A Turma considerou excessivamente módico o valor indenizatório fixado pela segunda instância.

O relator, ministro José Roberto Freire Pimenta (foto), constatou que o empregado era obrigado a fazer as necessidades fisiológicas em recipientes plásticos quando estava dentro do carro forte, pois não tinha autorização para ir ao banheiro. Para o ministro, o empregado trabalhava em condições precárias, sem garantia de direitos humanos mínimos, como acesso a instalações sanitárias adequadas, “situação repudiada pela sociedade e que deve ser combatida arduamente pelo Estado, a fim de garantir aos que aqui habitam um padrão mínimo civilizatório”, ressaltou.

Diante das provas do processo, o relator avaliou que a indenização em R$ 2 mil fixada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região (MS) não compensa o dano moral causado pela conduta antijurídica do empregador, e, principalmente, não atende à gravidade da situação. Assim, aumentou a indenização para R$ 15 mil, em atenção ao princípio da proporcionalidade, à extensão do dano, à culpa e ao aporte financeiro da empresa, bem como à necessidade de que o valor seja capaz de convencer o ofensor a não reiterar a conduta ilícita.

A decisão foi unanimidade na Turma, mas a empresa já entrou com recurso (embargos), ainda não analisados.

Processo: 24143-71.2015.5.24.0022

Fonte: Jornal Jurid

Categories:

Tags:

No responses yet

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *